sábado, 18 de outubro de 2008

Pânico de autoridade

Sobre o mais longo caso de cárcere privado do País, que deixou aparentemente uma das reféns com morte cerebral, este é tão somente mais um dos casos de falta crônica de autoridade nesse País.
O coronel encarregado da operação admitiu que teve o perpetrador sob mira para o tiro de comprometimento, e não o autorizou. Deu no que deu.
Isso se deve a uma legislação que pune quem age, e não quem deixa de agir, que leva a este tipo de omissão e covardia institucional, que pune os contribuintes.
Em outros locais do mundo, tal tiro seria autorizado na hora, e aplaudido pela imprensa. se aqui acontecesse tal tiro, apesar de correto do ponto vista técnico, seriam dias de jornais, tvs e revistas julgando, da Luciana Gimenez fazendo roda-viva com a Simonni e a Hebe Camargo para discutir se a policia deveria ter atirado ou não, e da Ana Maria Braga entrevistando a familíla das moças, que diriam que o maluco era bonzinho, que não iria fazer nada com ninguém, e que a policia só sabe matar, com direito a decreto do Louro José sobre o caso, que seria lido nas frases da semana de VEJA.
Os políticos dariam declarações que "a policia precisa passar por reciclagem", e outras mais, seria anunciado um programa de investimento de "centos milhões" na capacitação de policiais e depois tudo seria esquecido, sem "centos mil" sequer aplicados.
cocmo nada disso ocorreu, agora vão dizer que a culpa foi do maluco, e foi, mas poderia ser evitado com a morte do agressor, e isso não vai ser dito por ninguém, pelo menos não em voz alta, pois aqui, no pais de "todos", isto não é coisa que se diga, muito menos que se faça, por mais lógico que seja.
Matar, aqui, só nos morros, ou matas, na calada da noite, sem justificativa ou direito para quem morre, no geral os famosos três "Ps".
Sem privilégios de direita ou esquerda, todos são covardes o suficiente para se esconder atrás da omissão, o as Eloás da vida continuam morrendo.

I'm back

De volta, leitores(?), após prolongada ausência, vamos ao que interessa.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

O que esperavam ?

Segundo a Agencia Estado, o MST divulgou nota na qual afirma que a condenação de suas lideranças em Marabá, representa a criminalização dos movimentos sociais que lutam "contra as injustiças no campo e por um Brasil melhor".

Queriam o que, desobedecendo ordem judicial ?
As leis existem para todos, e não só para quem o MST quer.
Devemos todos nos esforçar para que os tempos do "aos amigos, tudo, aos inimigos, a lei" tenham fim, quanto antes melhor.
Para todos, até para o MST, desde que tenham vontade de respeita-las.

Punição, enfim.

"23.07.2008

O candidato à prefeitura de Americana (SP), Omar Najar, teve o pedido de habeas corpus arquivado pelo ministro Cezar Peluso, do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele foi condenado por crime ambiental depois de ter suprimido vegetação em área de preservação permanente sem autorização. Não adiantou reclamar. Sua candidatura já está impugnada."

Do site "O eco"
Até que enfim um dos muitos políticos com crimes ambientais nas costas levou o que merece, apesar de ser pouco.
Mas já é um começo.
Al Capone, todos sabem, só foi preso por sonegar impostos. Pode estar aí uma saída para nos livramos destes tipos.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Posição política não isenta criminosos

Em mais um atentado ao Estado de direito, o MST, ou um dos "movimentos" que se abrigam sob este manto, na noite de domingo cercaram uma delegacia de policia, em Parauapebas, para libertar um de seus líderes presos desde o mês passado, felizmente sem sucesso, graças a repressão da Policia Militar.
O uso da palavra repressão, graças a ditadura militar que assolou o País entre os anos 60 e 80, virou ofensa, e o uso do poder de policia virou motivo de vergonha para as autoridades deste País, levando ao caos que vemos todos os dias, seja na segurança ou na saúde, e até no fato de que os pilantras que se dizem políticos não vão para a cadeia aqui, façam o que fizerem.
E ainda tem gente, que sem conhecer as pessoas ou seus passados, se acham no direito de chamar de facista quem acha que o MST devem ser proscrito, por esta e muitas outras que tem aprontado.

domingo, 29 de junho de 2008

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Viajou

A criança do post "Doente não viaja na TAM", graças em boa parte ao empenho da Atendente Rebeca, da TAM, viajou e foi operada, reagindo muito bem a operação, devendo sair hoje da UTI.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

perdi mais uma

Por 4 votos a 3, o TSE decidiu que quem que responde a processos na justiça pode ser candidato a cargo eletivo, somente quem já teve processo transitado em julgado terá a candidatura negada.
Mais um golpe em quem tenta melhorar esta País. Já imaginaram de quantos safardanas nos livrariamos só com essa medida ?
Jáder, Duciomar, Priante, Pepeca, e uma grande, e hoje, muito alegre confraria, espocando espumantes pelos quatro cantos do Brasil com a decisão.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Cara de pau

O liberal, na edição de hoje, 09 de junho de 2008, vem falando em "truculência e prejuízos em Altamira", causados pela Operação Arco de fogo, do IBAMA, Força Nacional e da PF.
O chororô, vindo de quem vem, não causa espanto, somente a repulsa de quem trabalha na legalidade e é agredido pelo jornal, conhecido por ter fraudado o IVC, pois o mesmo quer por no mesmo saco os bandidos(pois assim é conhecido quem infringe a LEI) e os cidadãos que trabalham e pagam impostos em dia, como eu e quase todo mundo.
Reclamar que estão sendo perdidos empregos e é perseguido quem trabalha é fácil, sob este argumento vamos libertar o Beira-mar, e registrar com carteira os "aviões", "fogueteiros" e outros mais da "fauna acompanhante" do tráfico de drogas, pois afinal eles também "trabalham e geram renda".
Se alguém exerce uma atividade sem o devido licenciamento, está infringindo a lei, e deve pagar. A culpa é do órgão licenciador ? Ótimo, a cobrança aos políticos não deve se restringir ao momento em que a "seiva foi derramada", parafraseando o Ministro "frase de efeito" Minc. Cabe pressão política sobre os gestores para que o órgão ambiental faça sua parte, mas agir na ilegalidade não pode, em hipótese alguma. Como último recurso, existe a Justiça. mas não pode nem deve o Estado, em qualquer esfera, permitir a ilegalidade, sob pena de todos os brasileiros pagarem, e muito caro, por isso.
Além disso, deixar o servidor público de cumprir com suas obrigações, ou seja, a PF de prender e o IBAMA de multar quem está ilegal, é PREVARICAÇÂO, crime, portanto, e são constantemente denunciados os órgãos públicos que não cumprem com suas funções, em especial pela imprensa.
Em Matogrosso, vi esta mesma "manifestação social" contra a Arco de fogo, que não deu em nada, pois segundo um dono de lanchonete, "os caras fazem cagada e eu que tenho que fechar a loja?" niguém é mais criança para acreditar em "perseguição" da PF e do IBAMA. Duvido muito que de em alguma coisa em Altamira também. Tais manifestações são urdidas e promovidas por lideranças viciadas, empresariais e políticas, que imputam aos outros suas falhas. Onde estava o Senador Flexa Ribeiro, quando seu partido mandou por 12 anos no Pará, e ele não cobrou aparelhamento o capacitação para a antiga SECTAM, hoje SEMA, dando no que deu agora, que o Governo tem que correr atrás de tudo e todos ?
Então, o que quer o jornal que fraudou o IVC, e seus mandantes, que prevariquem os servidores, que a Lei deixe de ser cumprida ? e se esta Lei fosse a de imprensa, o que diriam então ?
Mais engraçado é que na principal coluna do jornal, o R70, a chamada é para frase do Ministro Carlos Ayres Britto, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) "A lei não é hipócrita, é necessária", em resposta ao presidente Lula, que considerou hipocrisia a lei eleitoral que restringe repasses de recursos federais para obras novas nos três meses que antecedem a escolha dos prefeitos.
Realmente a Lei não é hipócrita, mas alguns jornais o são.

sábado, 7 de junho de 2008

Doente não pode viajar na TAM

A passageira Carliane Oliveira e sua filha de 6 meses, Catarina, portadora de cardiopatia grave, mas com chances melhores de tratamento em São Paulo, estão passando por verdadeiro calvário para poderem embarcar no vôo JJ 3719, previsto para quarta-feira próxima.
Primeiro, a empresa, após descobrir a cardiopatia da menor, alegou que seria necessária a reserva de um balão de oxigenio. Logo depois, a "reserva" foi substituida pelo aluguel do mesmo, pelo valor aproximado de R$ 600,00.
Carliane é secretária de um escritório de advocacia em Belém, e a passagem foi tirada nas milhas de uma das sócias. Mesmo assim, concordou em pagar o valor que a empresa pediu.
Ao ser comunicada que o valor seria pago, a empresa alegou que seria necessário, então, que fosse feita a compra de nova passagem, para o balão, que para a TAM agora também é passageiro.
Não contente, o call center da empresa entrou em contato com a passageira, informando que a passagem seria cancelada, pois milhagem não pode ser utilizada para transporte de pessoas doentes.
A empresa quer, no fim, não levar a filha doente de Carliane, condenando assim a criança ao destino que teria se tivesse nascido 150 anos atrás, quando não existia avião.

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Mais uma

A hidroelétrica de Estreito, na divisa do Maranhão com Tocantins, foi embargada pelo MP da União dos dois Estados e o MPE do Maranhão.
O motivo ? Licenciamento ambiental com falhas, mais uma vez.
Os dois MP's entraram com ação contra falhas no EIA-RIMA em junho de 2005, e a obra se arrasta desde 2001, tendo sido suspensa agora a licença prévia.
Nesse passo, de embargo em embargo, o ambiente está a salvo das novas fontes de energia no Brasil, falta muita competência aos empreendedores e ao setor energético estatal, parecem todos imersos em promessas da mãe do PAC sobre facilitação de licenciamento, esquecendo o MP.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Graande Deputado

De Evandro Éboli:

A cumplicidade entre parlamentares e entidades sindicais parece não ter limite no Congresso Nacional. Para tentar barrar a aprovação de uma proposta de emenda constitucional (PEC) que prevê o confisco de terras pertencentes a desmatadores na Amazônia, o deputado Gerson Peres (PP-PA) apresentou um voto em separado que é cópia literal de um parecer técnico da Confederação Nacional da Agricultura (CNA): com carimbo e tudo da entidade sindical.

O parlamentar reuniu-se com dirigentes da confederação e entregou ontem na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) um parecer contrário a uma proposta de emenda à Constituição do deputado Mendes Thame (PSDB-SP), que prevê a expropriação de terras na Amazônia de fazendeiros que não cumprirem a lei preservando 80% de suas áreas. Leia mais em O Globo

Grande parlamentar, o Deputado Gersón Peres, da bancada da motosserra, e além disso nem tem competência para fazer um simples ctrl C, ctrl V, apresentando um papel da CNA como seu.
E uma peça dessas ainda é disputado por Governos do Estado a dezenas de anos.

terça-feira, 3 de junho de 2008

Sobre o desmatamento

A divulgação dos dados do avanço do desmatamento na Amazônia no mês de abril, com o Estado do Matogrosso na cabeça-de-ponte, e o Pará na rabeira, não é motivo de alegria por aqui, pois 89% da área do Pará estava sob nuvens, e não pôde ser avaliada.
Acho que pelas noticias que chegam, o panorama não é dos melhores. Aqui, também pode-se esperar recorde no avanço da motosserra.
Mas acredito que a tal operação boi pirata (nada a ver com os da Cerpa), tem potencial, juntamente com a apreensão de grãos em áreas embargadas de surtir efeito no médio prazo, pois se finalmente forem concretizadas as apreensões, haverá punição para quem desrespeita o embargo, tornando o crime ambiental sem compensações para o infrator, que hoje não paga a multa, perdida em infindáveis recursos administrativos e judiciais, enquanto o marginal ganha dinheiro na área embargada.

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Bem feito

Antes de mais nada, quero deixar claro que sou botafoguense.
Mas que foi merecida a condução forçada e a multa imposta ao jogador André Luis, zagueiro do Botafogo, foi.
Ficou claro que o mesmo desrespeitou a torcida, fazendo gestos obscenos, como mostrado nas tv's, e que reagiu a PM de Pernambuco, assim como os outros jogadores e o Presidente do Botafogo, Bebeto de Freitas.
para começo de conversa, policia deve ser obedecida por todos, torcida, jogadores e dirigentes, o papo furado do Presidente do Bota, que jogador não é para ser conduzido, por não ser marginal, é pura canalhice. Policia é para cidadão, todos, sem diferenças de profissão, fez besteira, deve ser punido.
Aliás, a policia deveria ter prendido mais gente nesse caso, onde já se viu, uma pessoa detida pela policia, e os amigos vão e "tiram" o cara da custódia, isso é coisa de quadrilha, como CV e outras, que libertam presos.
Estão de parabéns a Policia e a Justiça de Pernambuco, e a "aspira" que deu voz de prisão ao moleque que fez "cotoco" pro estádio inteiro, precisamos de mais gente assim, com vontade de fazer valer a Lei.

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Memória curta.

Não só o dito "povo" tem memória curta no Brasil, as "zelites" também.
O Senhor Roger Agnelli, Capo da Vale, recebeu ontem comenda e rapapés do setor empresarial do Estado. Na fila do beija-mão, o Sen. Suplente Flecha Ribeiro, ex-preso, o prefeito problema, ex-médico, e vários deputados.
Ninguém lembra que a Vale levou a Usina de pelotização de ferro para o Maranhão, a cinco anos atrás, segundo a "Veja" com o conhecimento prévio do então Governador Almir Gabriel e do então secretário extraordinário Simão Jatene, e que iria construir "mirentas" casas como compensação, entre outras coisas ? Cadê As casas, por falar nisso ?
De demonizada pelo governo, povo e por "O Liberal", a Vale e seu Capo viraram herois.
Eu, hein. Demorou menos do eu pensei.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Enfim, a verdade.

O Governador Blairo Maggi, em entrevista a UOL, afirmou "...(o Estado) não pode deixar de fazer a atividade econômica porque tem irregularidades ambientais".
Acho que o Governador apresenta um grande progresso na sua visão do mundo a partir do MT. Até poucos dias atrás, ele acreditava que não existisse desmatamento no Estado do Matogrosso, apesar do INPE, IBAMA e quem mais quiser olhar uma imagem de satélite ver de cara os buracos do "desenvolvimento" do Estado.
Outra informação preciosa extraida da entrevista, é que só 8% do território é utilizado para produção de alimentos.
O resto, foi derrubado para que ?
Por que entre fevereiro e março, andei por uma parte do que os matogrossenses chamam de "nortão", no bioma amazônico, e sinceramente não vi floresta sem estar muito degradada, inclusive áreas de plano de manejo florestal, onde não tinha floresta, só graveto.
Mesmo assim, fico muito feliz com o embrião de (in)consciência ecológica do Governador. Já é um começo.

terça-feira, 27 de maio de 2008

Mais problemas a vista.

O licenciamento ambiental de empreendimentos para geração de energia no Brasil deve ser encarado com mais profissionalismo e competência por parte dos empreendedores, já explico por que:
1- A usina de Jirau, no Rio Madeira, teve seu local de instalação licenciado alterado em 9,2 km. pela empresa ganhadora do leilão, o Consórcio Energia Sustentável do Brasil S.A. Acredito que isso levará a novo EIA-RIMA, indispensável para o novo licenciamento, pois agora, mantida a decesão da empresa, será outra obra;
2- Uma usina termoelétrica, do empresário Eike Batista, teve o licenciamento suspenso pela justiça no Maranhão, pois o mesmo fora aprovado pela OEMA (Organização Estadual de Meio Ambiente)e não elo IBAMA, como determina a legislação, já que a usina funcionaria a margem do mar, e os impactos poderiam ir além das fronteiras do Estado;
3- Belo monte deve enfrentar novos problemas, pois novamente o estudo de viabilidade econômica, social e ambiental será feito pelos possiveis empreendedores, o consórcio Andrade Gutierrez, Norberto Odebrecht e Camargo Correa, o que é considerado pelo MP ilegal e imoral, pois a falta de licitação, de experiencia dos empreendedores neste campo e a quebra da claúsula de sigilo entre os concorrentes ao leilão são impedimentos para a lisura do projeto, além de diminuir a concorrencia, afetando os preços a serem alcançados.
Desta maneira, sem respeito a legislação, ao interesse público e ao ambiente, como esperar que saiam do papel os projetos (supostamente) necessários ao desenvolvimento do País?
Digo supostamente por que segundo noticias divulgadas recentemente dão conta que a simples mudança de turbinas em usinas já em uso por outras mais modernas produziria o mesmo efeito que a construção das novas em projeto.
Mas reforma não dá IBOPE, nem recursos para campanha.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

A canalha reage...

Izabelle Torres
Correio Braziliense

Grupo de deputados federais inicia campanha para acabar com o caráter vitalício dos cargos de ministros dos tribunais superiores. Ato seria uma resposta a processos e decisões de magistrados


Em tempos em que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ensaia discutir a possibilidade de rejeitar candidaturas de políticos processados e a Procuradoria-Geral da República lota os gabinetes dos ministros do Supremo Tribunal Federal com denúncias contra detentores de foro privilegiado, um grupo de deputados federais ensaia uma reação e estuda formas de acabar com o caráter vitalício dos cargos de ministros dos tribunais e discute os termos de uma proposta de emenda constitucional (PEC) visando submeter os integrantes de órgãos fiscalizadores — cuja indicação e permanência não dependem do aval de políticos — ao crivo dos legisladores.
A idéia tem ganhado força entre os deputados. Em conversas informais, os parlamentares concordam que é preciso impor limites à permanência no cargo dos ministros dos Tribunais de Contas, do STF e do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Concordam também que a indicação do procurador-geral da República deveria contar com a participação mais efetiva do Congresso Nacional. “Do jeito que está, não temos poder de barganha. Não influenciamos nada e os ministros não consideram os apelos da sociedade na hora de decidir”, comenta um deputado da base do governo que, pelo menos por enquanto, prefere não defender o tema abertamente porque tem processos contra ele tramitando no STF.
A tese já havia sido sugerida anos atrás pelo deputado Jader Barbalho (PMDB-PA) em conversas informais, mas não teve força para emplacar. Pelo menos até agora. O cenário pode mudar com o empenho do deputado Márcio França (PSB-SP), que já iniciou a campanha em defesa de uma nova legislação sobre a vitaliciedade dos cargos e o processo de escolha dos novos ministros. O deputado é réu em dois inquéritos que tramitam no STF. “Antes de apresentar a proposta estou conversado com os deputados. Com o tempo a gente aprende que depois que há consenso em torno da idéia, o texto do projeto é o que menos importa. Tenho conseguido apoio e quando avaliar que o momento é favorável, elaboro rapidamente a proposta e ela começa a tramitar”, conta França.
Monólogo
A campanha do parlamentar ficou clara durante o vôo 3709 do ultimo dia 15, que partiu de Brasília com destino a São Paulo. Ao encontrar o colega Bruno Araújo (PSDB-PE), França sequer esperou o avião decolar e iniciou uma espécie de monólogo dedicando exatos 38 minutos a criticar o desempenho do Ministério Público, dos Tribunais de Contas e até a independência dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral. Depois das análises, a conclusão: “É preciso pensar em leis que tornem os órgãos fiscalizadores mais dependentes dos parlamentares”. Para justificar a idéia, Márcio França afirmou que a “rebeldia” dos órgãos se deve ao caráter vitalício dos cargos. Isso, segundo ele, possibilita que haja um distanciamento grande entre o parlamento e algumas instituições. “Se eles tivessem de ter o nome analisado pela Câmara Federal, pelas assembléias ou até pela sociedade, a coisa seria diferente. Acho que o discurso e as atitudes seriam mais pensadas”, avaliou, durante a conversa presenciada pelo Correio.
Simpático às teorias do veterano Márcio França, o deputado Bruno Araújo, que está em seu primeiro mandato, ressalvou apenas que no Tribunal Superior Eleitoral os ministros não são vitalícios e cumprem mandatos de dois anos. O que, segundo ele, é um fato positivo, mas não o ideal. O raciocínio do pernambucano é interrompido pelo o idealizador da idéia: “Eles mudam, mas não é por nós. Não temos relação com esse processo e isso é ruim. Tem de pensar numa lei, em alguma coisa para mudar isso”, disse França.
Novo processo
Alguns dos termos da nova lei já foram escolhidos por França, que é advogado. Para ele, o ideal seria fazer com que, a cada seis anos, o Congresso tivesse de ratificar os nomes dos integrantes do Tribunal de Contas da União e as assembléias dos componentes dos tribunais estaduais. Já os ministros dos tribunais superiores permaneceriam nos cargos por cerca de oito anos e teriam de submeter-se a um novo processo “eleitoral”, seja pelo parlamento ou pelo voto popular.
“Eles poderiam até ficar vitalícios, mas teriam de ter o aval do voto de tempos em tempos. Acho que se isso acontece, alguns dos ministros pensariam mais na sociedade na hora de votar temas polêmicos como, por exemplo, a liberação das pesquisas com células-tronco”, explicou França ao Correio, referindo-se ao ministro do STF, Menezes Direito, que deve votar contra a liberação das pesquisas apesar dos apelos e das campanhas sociais.
PROPOSTA

Fim da vitaliciedade de todos os cargos. Os ministros passam a exercer mandatos e terão de se submeter a novo processo de seleção a cada oito anos
Parte das indicações deve ser prerrogativa do Congresso Nacional e das Assembléias Legislativas
Servidores dos órgãos e demais brasileiros também devem participar da escolha dos nomes dos novos ministros
O presidente da República deixa de dar a palavra final na indicação dos ministros do STF, STJ e do Ministério Público
O novo processo de eleição passa a valer para os novos indicados. Os atuais ministros, portanto, preservam o caráter vitalício das suas funções.

Para saber mais
Nas mãos do presidente
Atualmente é o presidente da República quem decide as indicações da maior parte dos detentores de cargos vitalícios. Na nomeação para o Supremo, são escolhidos cidadãos com mais de 35 e menos de 65 anos de idade, de notável saber jurídico e reputação ilibada. O ministro é indicado pelo presidente, mas só é nomeado depois de uma superficial sabatina no Senado.
Já no STJ, a indicação dos 33 ministros também é definida pelo presidente da República, mas a escolha é realizada mediante análise de uma lista tríplice enviada pelas categorias de advogados, juízes dos Tribunais Regionais Federais, desembargadores dos Tribunais de Justiça e membros do Ministério Público Federal, Estadual, do Distrito Federal e Territórios, visto que as vagas são divididas por categorias de profissionais da área jurídica.
No TCU, a indicação dos ministros é feita pelo presidente da República (um terço da composição do pleno) e pelo Congresso Nacional (dois terços).
Já os membros do Ministério Público Federal iniciam a carreira no cargo de procurador da República, após participarem de concurso público específico. Quando promovidos, passam para o cargo de procurador-regional e, por último, de subprocurador-geral da República. Depois de dois anos de exercício, só podem perder o cargo por sentença judicial transitada em julgado, pois adquirem a vitaliciedade. O procurador-geral é escolhido pelo presidente da República dentre os subprocuradores para mandato de dois anos. Em todos os casos, os ministros e procuradores permanecem nos cargos até a aposentadoria.

Os caras-de-pau agora querem mesmo é correr solto na buraqueira.
Compromisso com o povo, que é bom, nem em sonhos.
Verdadeiros marginais, de deixar Al Capone no chinelo, este sindicato do crime que se denomina congresso nacional.

domingo, 25 de maio de 2008

Crimes.



Em operação do IBAMA no Sábado, 24 de maio, em Abaetetuba-Pará, foram flagrados 384 kgs. de mapará, com cerca de 10 cm. de tamanho. O tamanho mínimo de captura para este peixe é de 29 cm.
O tamanho mínimo protege os estoques do pescado, ou seja, o futuro da pesca, e quem pesca ou comercializa peixes abaixo dele está contribuindo para a extinção das espécies.
Pescador que faz isso é suicida, esta se matando e aos filhos e colegas de fome.
Além do peixe, foram apreendidos 20 kgs. de carne de capivara, 45 alçapões para captura de pássaros e libertados 30 passeriformes.

terça-feira, 20 de maio de 2008

Bravos

No filmão do Robert Redford, de 1972, "Mais forte que a vingança" (Jeremiah Johnson), o personagem enfretava todos os guerreiros de uma tribo, um a um, pois assim havia honra para a tribo, que media o seu valor pelo valor de seu adversário.
Pena que isso é coisa de cinema, pois os "bravos" guerreiros kaiapós, hoje, enfrentaram um "fortissimo" adversário, um engenheiro da Eletrobras que deu uma palestra sobre a parte técnica da possivel futura usina de Belo monte.
Segundo o jornal Liberal 2º ed., o "perigoso" engenheiro foi cercado por vários índios da etnia kaiapó, agredido e cortado a terçado em um dos braços. Ficou cerca de 10 min. a merce dos "bravos", segundo o jornal.
Parabéns a "brava" tribo dos kaiapós, por tão "valente e perigoso" inimigo.
Pena que a noticia vai ganhar o mundo, pois os índios daqui não chegam aos pés dos do filme.

domingo, 18 de maio de 2008

Novidades.

O novo(?)ministro do meio ambiente quer o Exercito em UC's. Somente dois pontos:
1- o Exército existe para defender o país de ameaças estrangeiras, e é treinado para matar(guerra), como mudar isso, na Constituição e no treinamento, em tão pouco tempo?
2- aonde fica o Instituto Chico Mendes nisso, que tem dever de oficio para proteger estas UC's, para que foi criado e é mantido, se para o ministro só o EB resolve?

AP Country

Na coluna do Mauro Bonna, o vice-problema, Odair Correa, prometeu que vai ajudar a desembaraçar a AP Country, que "está parada por pura e simples implicância", segundo o jornalista.
Se o colunista se limitasse a informar não passaria por vergonhas como a que se expõe ao falar assim, comprovando sua ignorância em legislação ambiental.
O tal empreendimento não pode ser licenciado como querem a AP, o Vice e o Mauro Bonna, pelo simples fato de estar em Área de Preservação Permanente (APP).
Se sair o licenciamento com estão querendo, terão problemas com o MP e com o IBAMA, disso podem ter certeza.
Ao Vice, se ele não sabe, a primeira coisa que aprendi ao entrar no serviço público, foi que ordem ilegal não se cumpre. Acho que os colegas da SEMA também aprenderam, como tem provado até agora.

Enviroment ???!!!

Segundo a Folha de São Paulo de hoje, artigo do "N.Y.T." pergunta de quem é a Amazônia.
Ninguém perguntou aos americanos de quem eram os bisões, quando foram exterminados somente para matar as tribos indígenas de fome.
Também ninguem perguntou o que os americanos fizeram com 97%( por extenso: noventa e sete porcento)da cobertura vegetal original do seu teritório.
O mais interessante é que eles acham estranho, no artigo, que o Brasil não goste desta pergunta.
Se ao menos não fossem os maiores poluidores do planeta, e não se recusassem a aceitar que a poluição industrial é uma das principais causadoras do efeito estufa, poderiam ter um mínimo de moral para escrever algo assim.
Quando os EUA pararem de tratar o mundo como seu quintal, talvéz deixem de ter inimigos com a al qaeda, e tantas outros a caminho.
Mas podem se preparar, amazônidas, que estamos na linha de fogo deste tipo de bombardeio, por enquanto virtual, que não vai levar a uma invasão da Amazônia por forças internacionais, mas que será prejudicial a nossa soberania do mesmo jeito, se não houver muita força por parte dos nossos governantes.

sexta-feira, 9 de maio de 2008

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Justiça ?

Estou achando, como acredito que todo mundo, um absurdo a absolvição do "Bida".
Como pode existir um assassino de aluguel, um intermediário e não haver um mandante?
se não foi o "Bida", quem foi então?
Porém, o que mais tem me intrigado nesta história toda é a não possibilidade do cara ser absolvido.
Já explico, no julgamento, pelo menos pelas Leis do Brasil, todos são inocentes até prova em contrário, mesmo se a vitima for de um movimento social. A absolvição não foi errada somente pelo fato de não terem sido levados em conta as provas carreadas aos autos, mas por ter sido de um fazendeiro que praticou um crime contra uma freira idosa e indefesa, entendem? ele DEVE ser culpado até prova em contrário, o que considero um risco para a democracia. Talvéz por compartilhar desta idéia o MP não tenha feito seu "dever de casa", como está sendo dito pela impressa no dia de hoje (O liberal, R70), acreditando que já tinha ganho essa. Ficou de salto alto e perdeu, enchendo o prato daqueles que só querem um pé para falar mal do Pará e do Brasil, e daqueles que querem tirar proveito político do fato.

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Bem na foto 2

Bem na foto

Fim de trecho

Estamos em um momento crucial para a democracia e para a nossa civilização.
Marginais travestidos de movimentos sociais sitiam nossa sociedade, no chamado "abril vermelho".
Sitiam literalmente, pois cercam as estradas que levam e trazem os paraenses que trabalham e respeitam as leis(pelo menos a maioria deles). E as policias tem que "negociar" a liberação, que quer dizer que os marginais só liberam quando bem entedem.
Vivemos um momento em os governantes brincam com os poderes legais e o Estado, voltando-se para os governos como se fossem um fim, e não o meio para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, confundindo suas ideologias ou fisiologias com o Estado, fim maior e maior e verdadeiro benefício que a sociedade moderna trás, pois impedia justamente que grupelhos, com maior ou menor poder econômico, assumissem as redéas da sociedade, fazendo-a refém. Pois bem, agora o MST e a FETRAF mandam e desmandam no Estado do Pará, fazendo o que bem querem sem interferência ou repressão por parte das autoridades, pois os mesmos são "companheiros", estando, portanto, acima das leis.
Leis que servem para proprietários rurais, mas não para eles.
Reclamam de 35 ameaçados, mas esquecem quantos foram expulsos de suas terras e empregos, muitos destes com títulos legítimos, sem contar o dano ambiental que causam, pois tal dano não é exclusividade do capital, como querem fazer crer.
Já participei de vistorias, por força de trabalho, em locais invadidos por tais grupos, e posso afirmar, que aonde fui o único trabalho que fizeram foi tirar madeira para fazer carvão, pois não plantaram NADA, não havia nem um pé de milho ou ao menos de manga, que nasce onde é cuspido o caroço. Mas forno de carvão havia.
Erros anteriores não excluem ou justificam que erros continuem acontecendo, principalmente em uma sociedade com Leis. Para a reparação de erros não e necessário quebrar a espinha dorsal da sociedade, pois ela não é culpada pelos mesmos, pessoas o são, e devem ser punidas, mas não se pode ferir o Estado para isto, pois erros desta natureza se cobram com juros, pagos muitas vezes por gerações posteriores, que nada tiveram a ver com os mesmos.
Devemos cobrar que o Estado, e não o governo, ajam, pois o Estado é atemporal e impessoal, e o governo não, devendo o respeito aos cidadãos e a sociedade que o elegeu, pois não governa só para um grupo ou setor.
quando o estado não faz sua partem pessoas o fazem, sem legalidade e, principalmente sem razão, pois a massa é burra e cega, e age por institinto. Estamos bem perto de um conflito que deixará Eldorado no chinelo, e quero saber quem assumirá, em frente as lápides, por seus erros e fraquezas.

terça-feira, 8 de abril de 2008

Impacto de Belo Monte

No site "o Eco":
"Impactos conhecidos

07.04.2008

Antes mesmo da entrega do estudo de impacto ambiental, sabe-se já que Belo Monte provocará interrupção do transporte fluvial de Altamira para comunidades ribeirinhas e inundação de igarapés que cortam a cidade paraense e áreas rurais do município de Vitória do Xingu, onde mais de 800 habitantes deverão ser remanejados. Estima-se também que pelo menos outras duas mil famílias da área urbana de Altamira precisarão ser transferidas, além de 400 famílias ribeirinhas."

Tudo isso, e muito mais, para gerar energia para quem mesmo ?

Demorou...

A ser verdadeira a noticia que estampa a 1º página do Diário do Pará de hoje, o Senador Jose Nery perde um muito do respeito que este blogueiro tinha por ele até hoje.
Afinal de contas, a Vale, bem ou mau intencionada, é uma empresa legalizada, paga impostos e emprega, sem desrespeitar as leis do País(no geral). Somente pelo fato de ser uma empresa grande(rica), não pode ou deve ser punida, pois não existe crime por este motivo.
Já para invasão de terras, esbulho possessório, furto qualificado, formação de quadrilha, ameaça e tentativa de homicidio, existe.

domingo, 30 de março de 2008

Correntão no Matogrosso

videoMais de 400 ha. derrubados para plantio de soja. Trabalho de dois tratores D9 em um dia. Propagandas na tv em Sinop-MT, anunciam esta serviço com capacidade para derrubar até 60 ha. por HORA. É muita destruição.

domingo, 23 de março de 2008

Incompetência vem de casa.

A senhora Ana Claudia Costa, irmão do falso médico dudu, negou, por duas vezes, (menos do que Pedro negou a Jesus, é verdade)que a Prefeitura tivesse aparelhos de hemodiálise para instalar. Negou, inclusive, que tais aparelhos existissem, sendo confrontada por técnicos da SESPA com a possibilidade de ter a mentira exposta por Nota fiscal.
Rapidamente a Prefeitura (qual a qualificação desta senhora para representar a secretaria municipal de saúde, além de ser irmã do falsario? será ela "médica" também?)apareceu com os tais aparelhos que "não existiam", e já estão funcionando(Reporter diário, 23/03/08).
Incrível é que mais de metade de Belém votou neste falsário e incompetente somente para derrotar o PT (?), sabendo, muitos destes, quem realmente era o crápula.
Lembro de pessoas "de bem" fazendo campanha para que Belém ficasse nas mãos desta quadrilha.

sexta-feira, 21 de março de 2008

As florestas virtuais

A operação arco de fogo continua em Matogrosso, apesar das investidas das empresas, sindicatos, da Sema-MT e até do governador. Na terça feira foram deferidas quatro liminares para desembargo de atividades de madeireiras que o IBAMA lacrou por estarem em desacordo com as normas ambientais.
Segundo as empresas, a sistematica de medição do IBAMA estava em desacordo com a utilizada pela SEMA-MT, havendo assim erro na medição feita pelo IBAMA com relação ao saldo de empreendimento das empresas, com prejuizo para as mesmas.
Porém, o que não foi dito ao Juiz Substituto da vara federal de Sinop é que as serrarias tinham madeira de MENOS, e não a mais, como quiseram fazer acreditar com a alegação da medição.
Vou explicar melhor, a medição da SEMA é feita somente no topo(menor diâmetro) da tora, são descontados casca e ocos, e dado ainda um desconto de 3% no comprimento da tora, de lambuja, e a do IBAMA leva em consideração topo e base, sem descontar cascas e ocos, pois o que é avaliado é o dano ambiental, e não a produção que a serraria terá. Isso leva a uma diferença de cerca de 10 a 15% no volume medido, com maior quantia na medição do IBAMA.
Toda empresa madeireira registrada tem um saldo de estoque junto a SEMA, como se fora uma conta bancária, com entrada e saída de madeira. Se a fiscalização encontra mais madeira no pátio que no saldo, esta madeira foi recebida sem licença, ou seja, vem de desmate ou extração ilegal, e não tinha origem legal para lançamento no saldo. Seria esse o grande medo em relação as diferenças de medição.
Porém, se existe mais madeira no saldo que no pátio, existe a quase certeza que esta madeira não foi cortada, o plano de manejo de origem foi fraudado, com a finalidade de obtenção de créditos que podem ser comercializados, e que legalizarão a madeira dos predadores que destroem as nossas florestas. No caso em tela, a fiscalização autua a empresa por "vender sem licença", pois a madeira que teoricamente estaria no pátio foi comercializada sem a devida baixa no sistema. Neste caso, a diferença de medição alegada pelos autuados somente os prejudicaria mais, pois faltaria mais madeira ainda nos seus pátios.
Mas isto não é dito pela imprensa de Matogrosso, pelos madeireiros autuados ou pela SEMA, pois o que se estaria caracterizando é uma verdadeira floresta virtual, que legaliza a extração ilegal de outras áreas e gera um mercado de virtual de madeira, com grandes lucros para os Mercadores da morte.

sábado, 15 de março de 2008

No Matogrosso

A operacao Arco de fogo, da PF, Forca Nacional e IBAMA, iniciou no Matogrosso dia
10, segunda, e gerou fortes protestos das autoridades estaduais.
O Sub secretario de meio ambiente apareceu no patio da serraria fiscalizada para protestar(?) contra a operacao, de maneira veemente e ate alterada, chegando a discutir com os coordenadores da operacao. Todo o setor produtivo protestou contra a operacao, pois a serraria fiscalizada era do presidente do SINDUSMAD de Sinop, Eduardo Pinto. Segundo eles haveria perseguicao e intencao de intimidar, uma inverdade.
Apesar de as criticas serem contra a atuacao das forcas de seguranca envolvidas, o desejo do Estado e que a fiscalizacao cesse, supostamente por conta do pacto federativo e de convenio assinado pela SEMA-MT e IBAMA.
Pois bem, o Governador do Estado protestou, o Presidente da Comissao de meio ambiente da assembleia legislativa estadual, protestou, o CDL, o Sindicato dos trabalhadores, a OAB(?), todos contra a fiscalizacao federal, causando verdadeiro clima guerra na populacao contra a operacao, chegando a haver ameacas explicitas, como falas que diziam que "Tailandia nao seria nada perto do haveria no Matogrosso" se a fiscalizacao continuasse.
havera protesto na terca feira, 18, de 08:00 as 10:00 da manha, segundo os lideres, pacifico, mas nada se sabe sobre o que pode ocorrer com um clima alimentado por estas falas de "autoridades" desse gabarito.

Tailandia

Após longo e tenebroso inverno, retorno postagens.
Estou a serviço, no Estado do Mato grosso, que de grosso não tem mais nada.
Farei aqui um breve resumo da opera'cao Guarioes de floresta em Tailândia, e depois darei informacoes sobre este Estado e seus governantes.
Em Tailândia, a reacao violenta dos mercadores da morte expulsou a fiscalizacao momentaneamente do municipio, e provocou forte reacao dos Governos Estadual e principalmente Federal, levando a maior operacao ja vista de combate a ilicitos ambientais no Para. A saida dos fiscais era necessaria e logica, pois nao se pode enfrentar uma situacao como aquela sem o efetivo empregado no retorno. Todas as acusacoes feitas aos fiscais do IBAMA na ocasiao me pareceram mais retaliacoes por egos feridos ou de quem nao queria ser fiscalizado, mas cabe aos acusadores o onus da prova, que ate agora nao apereceram.
No momento da retirada das equipes ficou estabelecido que haveria retorno, com mais homens e equipamentos, apesar de que a entrada na cidade, em 11 de fevereiro, contar com mais de cento e trinta servidores, sendo cerca de cem policiais, efetivo mais do que suficiente para uma operacao de fiscalizacao.
Ocorre que a reacao foi organizada e pensada para intimidar o Estado, contando com a frouxidao que acompanha os anos eleitorais, houve distribuição de cachaça e ate de maconha aos populares para estimular a violência sem levar em conta as vidas em jogo, nao so dos fiscais e policiais, mas também dos revoltosos, que deve ficar bem claro, em sua maioria foram manipulados e usados por indivíduos de péssimo passado e fama, como o prefeito da cidade, o famoso macarrao, agora envolvido tambem em planos de manejo irregulares, conforme noticiado pelo Diario do Para.
Assim sendo, para evitar que se derramasse sangue, houve necessidade de retirada para que a operacao pudesse ser retomada com a seguranca necessaria, o que nao poderia ser dito ha epoca por razoes de sigilo e seguranca.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Votaram nessa porcaria...

Mais um prejuízo foi dado a população de Belém pela "equipe" do moleque que se apossou da prefeitura. No domingo, 17, dia de provas do vestibular da UFRA e do concurso da SEDUC, não existia, segundo a reportagem do "Bom dia Pará" de hoje, nenhuma equipe da CTBel para organizar o trânsito, levando ao caos no trânsito e atrasando os candidatos.
A CTBel diz que " mandou equipes para o local".
Assim, de desculpa em desculpa, vão se acumulando os prejuízos ao povo desta cidade, culpado de eleger um despreparado e falsário condenado, que governa para e com os seus, poucos e despreparados para tal, assim como seu "lider".
Mais um detalhe, no sábado, a SEMMA divulgou nota a imprensa sobre o resgate de um Peixe-boi em Vigia de Nazaré, supostamente feita pela equipe da SEMMA/Bosque Rodrigues Alves. POis bem não foi a primeira vez que a SEMMA mentiu sobre o assunto, pois quem faz resgate de fauna, por competência legal e técnica, é o IBAMA, que realmente fez os três resgates de filhotes de Peixe-boi ocorridos no Estado desde janeiro deste ano. A SEMMA, através do Bosque, somente recebe os animais provisoriamente, até destinação final. Mente compulsoriamente a Prefeitura e a COMUS.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Realidade.

Crua e verdadeira a fala do Secretário de meio ambiente do Estado do Pará, Valmir Ortega, durante evento no Hangar sobre o desmatamento na Amazônia, promovido pelo IBAM/MMA, de uma sinceridade e coragem sem par, principalmente comparado ao Secretário de meio ambiente do Matogrosso, terra (arrasada) de Blairo Maggi, que nega o óbvio gritante para se justificar.
O secretário reconheceu os dados do INPE/PRODES sobre o desmate no Estado, e foi além.
Merece elogio pela coragem e pela vontade que demonstrou de dar novo curso as demandas ambientais no Estado, com propostas lúcidas e dentro do que efetivamente se pode fazer para conter a devastação. Precisamos de mais gente assim para resgatar o passivo ambiental e colocar o estado no eixo do desenvolvimento sem devastação.

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Sobre o desmate:

Enquanto o desmate corre solto, O MMA brigando contra o mundo, que quer soja, cana, carne e madeira, e o Governo os dólares, certas iniciativas demonstram de que lado o Lula está, vamos a elas:
1-durante o carnaval foi publicado decreto que baixa os juros do FNO, dando fôlego também aos predadores;
2-dados da ASIBAMA, associação dos funcionários do IBAMA, dão conta que 30% dos analistas concursados já deram no pé, por causo dos sálarios, os mais baixos entre as carreiras de fiscalização (fiscal agropecuário, da receita e da previdência,sem falar em outras carreiras de Estado como procuradores e policiais federais, alguns destes cargos de nível médio mas com salários maiores que os do IBAMA, de nivel superior), mas, principalmente por falta de condições de trabalho, como viaturas, combustível e equipamentos em condições de uso;
3-o uso da PF no combate ao desmate é somente pirotecnia, pois delegados e agentes não estão preparados para lidar com trabalhadores e empresários, muitos em situação de ilegalidade, porém mesmo assim não podem, em sua maioria, ser comparados a traficantes e outros bandidos (muito embora alguns poucos destes grileiros e derrubadores sejam piores que traficantes), e isso pode gerar conflitos que hoje são contornados pelos fiscais do IBAMA, acostumados com esta realidade, além da falta de conhecimento sobre o que é e quem é a Amazônia, conhecimento que não se faz em um dia, nem em livros.

Assim, fica dificil combater o desmatamento ilegal.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Eu, hein...

Houve "alarde" em anúncio de desmatamento, diz Lula
Agência Estado
Rui Nogueira
Em Brasília
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse não acreditar que o País esteja passando por um novo surto de desmatamento e que houve "alarde" na divulgação de números do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Especiais), na semana passada. Sem citar a ministra Marina Silva, Lula criticou o Ministério do Meio Ambiente e as organizações não-governamentais, e disse que não se pode culpar a agropecuária, os produtores de soja e os sem-terra assentados pelo aumento do desmatamento na Amazônia. "Não dá para culpar ninguém", afirmou.
Ao criticar o Ministério do Meio Ambiente, que divulgou na quarta-feira passada os dados do Inpe, o presidente admitiu que os números do desmatamento estão "sob investigação" e anunciou que pediu à ministra Marina Silva para convidar os governadores para uma reunião em Brasília, ainda sem data definida.

Para Lula, o fato de que houve um aumento do desmatamento no último trimestre do ano passado, comparado ao último trimestre de 2006, não quer dizer que, na conta do ano inteiro, o desmatamento de 2007 tenha crescido em relação ao ano anterior. "A questão é que a Amazônia não permite descuido", disse.

A ministra Marina Silva anunciou na semana passada que o Inpe havia detectado uma expansão do desmatamento nos últimos cinco meses do ano passado. Pelos cálculos dela, o desmatamento pode ter atingido cerca de 7 mil quilômetros quadrados no período. Essa área foi projetada a partir dos dados do Inpe, recolhidos pelo Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), que registrou 3.233 quilômetros quadrados de mata derrubada entre agosto e dezembro.

Em entrevista concedida ao final de almoço solene oferecido no Itamaraty ao presidente do Timor Leste, José Ramos Horta, o presidente Lula rejeitou a associação direta entre a ampliação da fronteira agrícola e o desmatamento. "É preciso investigar. Mas todos que promoveram queimadas ilegais devem receber um duro processo, perder inclusive a propriedade", disse.

O presidente afirmou ainda que "vai comprar briga" com as organizações não-governamentais se elas insistirem em ligar o crescimento da agricultura ao desmatamento. Segundo ele, há dados que mostram que a soja cresce "sem precisar derrubar árvores".


Parece que o Presidente já caiu no papo do Maggi, que quer um "reestudo dos números". A propósito, o mapa da criminalidade no País, objeto de estudo do Governo e de ONG´s, relacionou o desmatamento com a criminalidade, chegando o coordenador do projeto a comparar os desmatadores e grileiros ilegais ao crime organizado.
Por aí se tira...

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Anexação?

Em noticia da Agencia Estado, na UOL, agora há pouco:

"As medidas anunciadas pelo governo para conter o desmatamento na Amazônia estão causando apreensão entre produtores rurais e prefeitos de 19 municípios de Mato Grosso que integram a "lista suja" do Ministério do Meio Ambiente.

Entidades como a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), sindicatos rurais e indústrias madeireiras temem uma estagnação econômica em 31 mil propriedades, como ocorreu em 2005 após Operação Curupira, que mandou para a cadeia empresários e servidores públicos acusados de corrupção.

Juntos, esses municípios são responsáveis por 20% da produção pecuária do Estado e 11% da produção de soja, segundo a Famato. A partir de amanhã, produtores rurais e prefeitos estarão em Brasília para discutir com o governo os dados apresentados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) na semana passada. Eles temem que as ações de prevenção e controle do desmatamento, anunciadas pelo Ministério do Meio Ambiente, inviabilizem a atividade econômica nos municípios.

Em nota, a Famato informou que os instrumentos para controle do meio ambiente são legítimos, mas lembra que os produtores rurais estão buscando se adequar à legislação brasileira. A entidade critica a ausência do Estado para administrar as questões ambientais. "Os produtores rurais do Estado de Mato Grosso têm demonstrado formalmente o desejo de adequarem suas propriedades às exigências da complexa legislação brasileira."

O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios, José Aparecido dos Santos, discorda dos números do desmatamento apresentados pelo Inpe. "Os prefeitos têm que saber se de fato ocorreu todo esse desmatamento em seus municípios para tomarmos providências", disse ele, informado que os prefeitos vão se reunir na quarta-feira em Cuiabá para debater o assunto."

Engraçado é que não houve tempo para esta adequação as complexas leis brasileiras.
Afinal de contas, as leis de que país Matogrosso e a FAMATO obedeciam, se não as brasileiras ???!!!
Como é se "adequar formalmente"? lei se obedece ou não.
cada uma que se ouve(lê) neste País.

sábado, 26 de janeiro de 2008

Covardia

Em uma rebelião na carceragem da Cremação, em Belém, os detentos tiveram seis horas para assassinar um outro preso, enquanto a policia negociava a libertação de um agente prisional.
Em qualquer país do mundo, ao primeiro sinal que vidas humanas estão em jogo, ocorre a invasão de prisões, bancos, lojas ou qualquer lugar onde as vidas estejam em perigo.
No Brasil, em especial no Estado do Pará, esta regra não mais existe, assim como a que diz que o direito de ir e vir deve ser preservado, pois o preso foi morto e nada se fez para impedir tal fato, como nada se faz para impedir que camelôs fechem a via mais importante do Centro da capital, por quase uma semana, rodoviários em guerra particular pelo dinheiro do sindicato fechem a "nova duque", moradores a Bernardo Saião, madeireiros autuados a estrada nova, e assim por diante.
Não pode, por mais democrático que seja um governo, abrir mão de suas prerrogativas constitucionais, pois se assim o fizer deixa de ser governo e vira expectador dos fatos, sem possibilidade de cumprir a Lei.
Aliás, tem o Estado, já há muitos anos, deixado a Lei de lado, com reflexos na sociedade, desordenada, caótica, sem regras de convivencia social nem respeito pela propriedade privada ou pelo bem público, seja ele uma área de preservação ou os cofres de alguma instituição estatal, como o Banco do Povo ou a Prefeitura de Belém, para ficar em poucos e recentes exemplos, com graves prejuízos para a população que os democraticos senhores que não cumprem com suas funções dizem defender quando não tomam as atitudes que a LEI prevê.
Tal caminho é o mais fácil para estas governantes, como o Sr. Jatene, que enquanto governador não reintegrou áreas invadidas, deixando para sua sucessora o pepino, que agora aparentemente ela quer deixar para o seu sucessor. Porém tais omissões não são somente do executivo, pois onde está o MP com essa confusão de camelôs e prefeitura? Por que não age? onde está o Judiciário que não vê a base legal da nação ser desrespeitada? e a policia, que não toma a lei pelas mãos para faze-la cumprir?
Policia, senhoras e senhores, é para cumprir a LEI, e não instrumento de democratismos ou de barganha com aliados ou inimigos. LEI é para ser cumprida, em qualquer lugar ou situação.
Lembro do grande prejuízo moral que teve a Receita federal quando da copa dos Estados Unidos (94), quando os jogadores exigiram e tiveram seus "bagulhos" liberados, pois caso em contrário não desfilariam em carro aberto. Que vergonha para uma nação quando, somente por ganhar uma copa de futebol, se pode exiger ser diferente de todos os outros brasileiros, e pior ainda é a mensagem que isto deixa, pois o resto da população acha que também tem direito a ser diferente, a sua maneira. Assim, se estaciona em calçadas, joga lixo na rua, sonega impostos, atropelam pessoas e não vão presos, desmata livremente pois sabem que as multas só são pagas após anos de processo e por aí vai.
Estamos morrendo, como o detento, um pouco a cada dia, para que todos possam "se dar bem", no trânsito, nas florestas, contra o governo e contra nós mesmos, pois o imposto sonegado, seja o de renda ou na compra de DVD's piratas, mata nossas crianças mais pobres de fome e falta de remédios e leitos, mata os velhos que somos ou seremos quando caimos do ônibus, mata os animais de nossa florestas de falta de hábitat, quando os mesmos podem gerar riqueza e até remédios, por meio de pesquisas.
Nos condena, a nós todos, a vivermos como vivemos, os pobres sem opção de melhoria e os ricos fazendo de conta que não veêm as crianças e velhos com fome ou cheirando cola em sinais, por culpa nossa e de nossos governantes, que não sabemos e não queremos cumprir com a mais básica das instituições civilizadas, a LEI.
Enquanto esta palavra, LEI, for só uma palavra, vamos viver vendo detentos morrendo em prisões e crianças com fome e sem escola, ou fingindo que não as vemos.
Aos nossos governantes, se quiserem realmente mudar algo, cumpram a LEI, e a nós mesmos, vamos cumprir a nossa parte respeitar a sociedade em que vivemos, pois não estamos sós no mundo, e o aqui o que fazemos, pagamos. De um jeito ou de outro.
Voces acham que os países ricos assim o são por destino? A única diferença deles para nós é a LEI, que eles cumprem, e nós só quando queremos.
Esta covardia em cumprir as LEIS vai acabar com o poderia ser uma grande nação, com riqueza e desenvolvimento para todos, poi se continuarmos nesta covardia, de governantes e cidadãos, vamos voltar para a pré-história, onde mandava o mais forte, só que agora não somente com clavas, mas também com o dinheiro, a manipulação política e com o revólver.
Pobre detento e sua família, que nasceu e morreu neste tempo de covardes, como muitos outros antes e depois dele.
Vamos mudar esse estado de coisas, com coragem para cumprir a LEI, mas para todos, inclusive para nós mesmos.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Ministério...

Ministério da fé
Aldem Bourscheit
19.01.2008
Um pastor da Assembléia de Deus, mesma igreja freqüentada pela ministra Marina Silva, integra os quadros do Ministério do Meio Ambiente (MMA) desde Agosto de 2005. Ele já usou a estrutura do órgão público para auxiliar na organização de ao menos um evento religioso, em 2007. E, segundo fontes ouvidas no ministério, não foi a única vez. Ele também dirige cultos evangélicos nas salas destinadas ao serviço público federal, freqüentados por servidores de todos os escalões. A série de palestras, vídeos e debates Os Cristãos e a Criação – Responsabilidade Socioambiental, que começou em 25 de junho e se estendeu até 30 de julho de 2007, lançou a chamada Rede Jubileu da Terra no Distrito Federal. Um
panfleto distribuído na ocasião, no Congresso e outros pontos de Brasília, traz o nome do pastor Roberto Vieira e dois números de telefone, um fixo e outro celular. O número fixo é do Ministério do Meio Ambiente, o mesmo divulgado como contato ao pé da página principal da 2º Conferência Nacional do Meio Ambiente – 2ª CNMA, onde Vieira trabalha. O impresso traz um retoque manual, já que os prefixos do MMA foram alterados na mesma época. O pastor é o carioca Roberto Firmo Vieira, contratado como consultor pelo MMA com dinheiro do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para ajudar a organizar da Conferência Nacional do Meio Ambiente, evento bienal que reúne ONGs, setor privado e governos estaduais . Aos 50 anos, ele já trabalhou na Empresa de Correios e Telégrafos (1982-1984), no Ministério dos Transportes (2002-2003), na Câmara dos Deputados (2001-2002) e no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (1985-1986), ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Sua experiência na organização de eventos inclui experiências como o encontro Com Jesus são Outros 500, na Esplanada dos Ministérios (2000) e ainda a Marcha para Jesus e o Dia dos Evangélicos (2001). Contratos renovados Conforme seu primeiro contrato com o PNUD, o pastor atuou como Coordenador de Eventos da 2ª Conferência Nacional do Meio Ambiente entre 18 de agosto e 30 de dezembro de 2005. Por esse serviço ganhou 40 mil reais. De lá para cá, seu contrato foi renovado pelo menos duas vezes. Em todos os casos, ele é pago mediante a apresentação de produtos exigidos pela administração do Ministério do Meio Ambiente. Seu contrato está sob supervisão do Assessor Especial do MMA Pedro Ivo Batista. O ex-sindicalista também é coordenador-geral da 2ª CNMA e diretor do Departamento de Cidadania e Responsabilidade Socioambiental da nova Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. “O Administrador Roberto Firmo Vieira é Consultor Técnico, contratado pelo PNUD, mediante Edital Público”, respondeu Batista por email. De acordo com texto veiculado no Fórum de Debates da Mocidade Metodista de Brasília, em 29 de junho de 2007, a Rede Jubileu da Terra-DF “é mobilizada pelo Ministério do Meio Ambiente, coordenada por nove pastores e secretariada pela ministra Marina Silva. Seu objetivo seria “conscientizar cristãos de sua responsabilidade socioambiental”. Em entrevista por telefone, Vieira assegurou que a Rede Jubileu da Terra não tem relações diretas com a ministra Marina Silva e serve “para alertar os Cristãos sobre o cuidado que temos que ter com a criação do Senhor, com todo o Planeta Terra”. A rede funciona a partir de encontros e debates nos estados e no Distrito Federal, onde é coordenada pela Assessora Especial do gabinete de Marina Silva, Jane Vilas-Boas, como informou o pastor. Em Brasília já aconteceram cinco seminários. Vieira também afirmou que “cultos são realizados em todos os órgãos, na Esplanada (dos Ministérios) todinha”. E dentro do MMA? “Também”, diz. Diversas fontes confirmaram que é o Pastor Vieira quem celebra os cultos para evangélicos dentro do MMA, muitos com a presença da ministra Marina Silva. Questionado sobre porque razão há cultos de apenas uma religião nas repartições do Meio Ambiente, Pedro Batista respondeu que “O Ministério do Meio Ambiente disponibiliza sua sala multimídia, mediante agenda disponível, para atividades legítimas de seus servidores e consultores sem discriminação, inclusive de opção religiosa”. Leia resposta completa do Assessor Especial do Ministério do Meio Ambiente Pedro Ivo Batista. A bancada dos evangélicos Desde sua chegada ao poder em Brasília, a senadora petista Marina Silva (AC) esteve ligada à Bancada Evangélica ou Religiosa. Ela se converteu há mais de uma década e foi consagrada missionária da Assembléia de Deus em dezembro de 2004. Em seu gabinete atuam profissionais ligados às igrejas Batista Central de Brasília, Sarah Nossa Terra e ao Movimento Evangélico Progressista. Nos últimos dias 12 e 13 de janeiro, a ministra surpreendeu ao comparecer a um evento sobre o Criacionismo, crença que refuta a teoria da Evolução de Darwin e defende a vida como obra de uma inteligência superior. A bancada evangélica vem perdendo representantes na Câmara e no Senado. As eleições de 2006 trouxeram baixas inéditas. Uma análise do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar – Diap mostrou que a bancada de deputados federais identificados com cultos evangélicos caiu de 61 para pouco mais de 30 parlamentares. Conforme o Departamento, parlamentares religiosos começaram a ser eleitos em peso a partir de 1986, quando pastores da Assembléia de Deus impediram que a Igreja Católica aprovasse projeto constituinte que tornaria o catolicismo a religião oficial e única do País. Tudo não passava de boato, mas a bancada se consolidou no Congresso e segue por lá até hoje. Listas atualizadas de seus membros podem ser obtidas no site do Diap e também no site Excelências. Liberdade de crença A contratação de um pastor que dirige cultos dentro do MMA tira partido de uma questão mal resolvida no Brasil desde o Século 19. Para Daniel Sottomaior, da organização não-governamental Brasil para Todos, a legislação brasileira ainda é incompleta no tratamento das relações entre Religião, Política e Serviço Público. “Nos Estados Unidos, por exemplo, isso não aconteceria. Lá a lei é muito mais restritiva, não permite símbolos religiosos ou cultos em órgãos públicos”, diz. No Artigo 5º da Constituição Federal está escrito que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias”. Já o Artigo 19º da Carta Magna afirma que “É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público”. No Incra, por exemplo, cultos religiosos de qualquer natureza ou credo foram proibidos, conforme despacho do Ministério do Desenvolvimento Agrário de abril de 2007. No ano passado, a ONG de Sottomaior gerou polêmica, ao entrar com uma representação na Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 1ª Região e no Ministério Público do Pará contra a “reverência do Judiciário à Virgem de Nazaré”. O argumento era de que o Judiciário não poderia realizar comemorações religiosas porque o Estado Brasileiro é laico desde início da República, em 1890. A Justiça Federal negou o pedido da Brasil para Todos.postCount('25685');Leia também:
volta ao topo da página
Rua Mary Pessoa, 256 - Gávea - RJ CEP 22451-220 Tel 55+21+32053839 - 55+21+2259-0330Copyright O Eco - todos os direitos reservados.
Eu, hein, depois a Ministra fala, segundo boatos, que não sai do Ministério para que não ponham um pior que ela...

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Enquanto isso...


17.01.2008

Duas empresas acabam de assinar acordo para desenvolver uma fazenda de vento com 500 turbinas, que no pico, produzirão 1GW de energia. Mas não é aqui no Brasil. Vai ser na Austrália. Nós vamos mesmo é ter que encarar as usinas do Madeira.

Mesmo rumo
16.01.2008
Empresas de setores com muitos interesses no campo energético também estão entrando nesse jogo. A GM acaba de anunciar a aquisição de uma participação na Coskata, empresa produtora de etanol celulósico que anda experimentando com todo tipo de resíduos, inclusive restos de pneus. (O Eco)

Se isto não for uma forte tendência internacional para diversificação da produção de energia, não sei o que pode ser, enquanto por aqui nosso Ministros das Minas e Energia, Edson Lobão(!!!!!!!!), acabou de assumir e já fala em aumento nas contas, enquanto a ANEEL relata que 46% dos empreendimentos de geração de energia estão com atrasos sérios.
Muitos problemas sem solução num País com potencial para exportar energia sem agredir mais ainda sua natureza.

Escravidão

Braços da devastação 17.01.2008
O ano de 2007 registrou o maior número de escravos libertados no Brasil desde 1995. Foram 5.877 pessoas livres em 110 operações do Ministério do Trabalho, abrangendo 197 fazendas. O número supera o recorde de 2003, de 5.223 trabalhadores. Os pagamentos de direitos trabalhistas somaram R$ 9,8 milhões. Nos últimos 12 anos, 27.645 pessoas foram libertadas. Os casos ocorrem principalmente no Nordeste e Norte, onde avançam desenfreados a agropecuária e o desmatamento. Do Site "O Eco".
Me perguntem agora quantas destas inspeções foram acompanhadas por fiscais do IBAMA, para punição dos ilícitos ambientais conjugados a escravidão, por que nunca vi um andar sem o outro.
O governo precisa, com urgência, apredender a maximizar seus esforços, fazendo com que seus diversos órgãos atuem em conjunto.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Ausência

Estarei em viagem por alguns dias, no retorno tornarei a postar.
Abraços aos leitores(?)

Sobrou

Tinha certeza que o golpe dos tucanos e demos na CPMF, por que não passou disso a derrota do governo no Senado, uma vez que a contribuição foi criada por quem a chamou de abusiva, e que no dia seguinte falava novamente em criar uma nova, sobraria para os servidores e para o povão(odeio esta palavra, mas não tem outra). Agora, não vai ter aumento para o funcionalismo, nem o já acordado, concurso público, e ainda vai aumentar a facada dos impostos no pessoal que compra a prazo, ou seja, todo mundo que não é rico.
Li uma frase genial do Tim Maia, onde diz, entre outras coisas, que só no Brasil puta goza, cafetão se apaixona e pobre é de direita. Várias pessoas ditas esclarecidas apoiaram os tucanos e demos contra a CPMF, só por que era contra o Lula, sem pensar que a volta era em cima deles mesmos, ou alguém que pensa acha que estes partidos fariam algo para prejudicar seus patrocinadores?
Agora, sobrou...

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Não contente...

A Prefeitura de Belém fez um corte na gratificação dos servidores do SAMU, que era de 100% sobre o salário base, para 55%, anuncia como se fosse premio aos servidores, e assim leva ao incremento de mais um problema na saúde de Belém, como se já não bastassem a falta de ambulâncias e equipamentos, sempre denunciados e nunca resolvidos. Agora, os servidores ameaçam greve no setor.
E o cara-de-pau do prefeito disse no Diário no fim do ano que o problema da saúde não era dele, mas do País todo.